Sete são presos após nova troca de tiros entre membros de grupos rivais em Andradina

Por Redação - 23/05/2020 10:23

Após uma tentativa frustrada e atrapalhada para assassinar desafetos do bairro São João, dois adolescentes do Pereira Jordão foram presos pela PM numa ação rápida e eficaz desenvolvida na tarde desta sexta-feira 22.

Além da dupla foram presos o condutor de um Gol usado para dar fuga aos menores, o dono de um estúdio de tatuagem e o proprietário da moto Bros emprestada para a execução do crime. Além das supostas vítimas que estariam envolvidas em guerra de grupos rivais na cidade.

A ação teve início no cruzamento da av. 2 com a rua 21 – bairro São João – onde pai e filho, apelidados de “Nenê” e “Juninho”, supostamente teriam trocado tiros com os adolescentes do PJ.

Todavia, os menores caíram da moto e tiveram que fugir a pé, mas acabaram detidos no cruzamento das ruas Evandro B. Calvoso e Silva Jardim. Um deles identificado por “Bê” ou “Bielzinho” seria o principal alvo dos tiros que mataram o auxiliar geral “Grilo”, em março passado, no PJ.

Moto Bros apreendida com os adolescentes

MOTO NO CRIME E GOL NA FUGA

A dupla foi surpreendida ao deixar um estúdio de tatuagem e entrar no Gol de cor prata dirigido por “Gueizu”, também do PJ e já com ficha criminal. No interior do estúdio os PMs localizaram “July”, dono da moto liberada aos menores e ainda o dono do estabelecimento.

Um dos adolescentes portava um revólver .38 na cintura com duas munições picotadas. Ele admitiu que o objetivo era matar Nenê e Juninho.

Alegou ainda que revidaram os disparos de ambos, mas não conseguiram o intento porque a arma falhou por cinco vezes. Já pai e filho da cohab São João negaram ter atirado e disseram que nem arma possuem.

Os menores também afirmaram que usaram a moto com consentimento de “July” e que o dono do estúdio foi quem ligou para acionar o proprietário do Gol objetivando a fuga deles.


Gol prata apreendido daria fuga aos menores

AÇÃO COM ÊXITO 

Participaram da ação os sargentos Fagundes, Aguilera e Kléber, os cabos Gomes, Richard, Ceballos, Costa Jr., Piaci, Dileti, Rezende, Marlice, Joelson e Carneiro e os soldados Renata e Carvalho, respectivamente da Força Tática e Rocam.

Os sete presos foram encaminhados à cadeia de Pereira Barreto onde aguardarão decisão da Justiça via audiência virtual. Eles responderão por tentativa de homicídio, porte de arma, associação criminosa e ato infracional. [Com informações de Manoel Messias e PM].


Celulares apreendidos com os envolvidos