Homenagem do Impacto e Usina Viralcool pelos 81 anos de Andradina nesta quarta

Por wikipédia com fotos de moises eustaquio - 10/07/2018 22:07

A fundação de Andradina foi idealizada, em 1932, pelo fazendeiro Antônio Joaquim de Moura Andrade, maior criador de gado do Brasil e que tinha o apelido de Rei do Gado.

Na verdade seu nome era Antônio Joaquim de Andrade, o "Moura" era o sobrenome de seu sócio, a quem muito estimava por isso agregou ao seu próprio nome. Sua empresa com seu sócio era Moura, Andrade & Cia., placa esta fixada na entrada da cidade com o slogan publicitário: "Terras Ótimas para Culturas Vendas a Prestações de longo prazo".

Moura Andrade conseguiu que se construísse um novo ramal ferroviário, a Variante, entre as estações de Araçatuba e Três Lagoas da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil, que teve sua construção ordenada pelo presidente Getúlio Vargas. Às margens da "Variante", foram criados vários povoados, que hoje são cidades.

O traçado antigo da linha da NOB, linha que chegou ao Rio Paraná em 1910, e que ficou conhecido depois como Ramal Araçatuba - Lussanvira (a atual Pereira Barreto), por ter sido construído muito próximo ao Rio Tietê, estava muito sujeito à malária, e ficava longe das terras mais altas, as mais adequadas para o plantio de café, o qual era transportado por ferrovias para o porto de Santos.

Variante, seguindo direto de Araçatuba para a atual Andradina, passaria na Fazenda Guanabara, propriedade do Rei do Gado, seguindo em direção ao Mato Grosso do Sul.

Seu desejo pela urbanização era tanto que, ele, Antônio de Moura Andrade, encomendou ao engenheiro Benelow & Benelow, a elaboração de um projeto para a urbanização da futura povoação.

Devidamente planejada, o novo povoado surgiu em 11 de julho de 1937, em terras da Fazenda Guanabara de propriedade de Moura Andrade. Nesta data chegou o primeiro trem de ferro da Variante da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil à nova povoação.

Moura Andrade, loteou, em pequenos sítios, parte da Fazenda Guanabara, para os pioneiros recém-chegados, (a todo eram 6.000 famílias), sem exigir fiador ou entrada em dinheiro.

Moura Andrade instalou luz elétrica movida a motor diesel. Quase todos os comércios da nova povoação pertencia a ele, no início, inclusive um Banco. Moura Andrade atraiu muitos comerciantes para a nova povoação, vendendo a preços baixos, os lotes urbanos. Com um bom marketing, Moura Andrade atraiu muitos compradores para os sítios.

Exemplo deste marketing, foi se colocar quatro enormes toras de madeira em frente a estação de trem da NOB, junto às quais colocou um grande cartaz, com a seguinte frase:

Esta é a prova da fertilidade das terras de Andradina!

Em homenagem ao seu criador, a nova povoação passou a ser conhecida, como a "Terra do Rei do Gado".

Cinco meses após ter sido formado o povoado, Andradina foi elevada à condição de Distrito de Paz de Valparaíso, em 10 de novembro de 1937, pela Lei Estadual nº 3.126.

Andradina ganhou autonomia administrativa em 30 de dezembro de 1938, quando foi desmembrada do município de Valparaíso e elevada à condição de município pelo interventor federal no Estado de São PauloAdemar de Barros, através do decreto estadual nº 9.775.

A sede da prefeitura foi instalada onde hoje é o Grupo Escolar Dr. Álvaro Guião. A posse do primeiro prefeito municipal, Evandro Brembati Calvoso, ocorreu em 10 de janeiro de 1939.

A poetisa Cora Coralina viveu em Andradina, nas décadas de 1940 e 1950, quando escreveu o célebre "Poema ao Milho".

O município de Andradina foi desmembrado várias vezes perdendo parte de seu território para a formação dos novos municípios de Guaraçaí, Algodoal (atual Murutinga do Sul), Castilho e de Nova Independência. Andradina perdeu terras, em 1944, para a formação do Distrito de Gracianópolis (a atual Tupi Paulista) pertencente a Lucélia, e, para Mirandópolis.